terça-feira, 11 de maio de 2010

Uma Rosa para Kierkegaard

*

Eu trago uma rosa para Kierkegaard

Kierkegaard que não viu Hiroshima

Que, vista,
Explodiria com ela

E deixaria um apócrifo
Contra a América cristã

Eu trago uma rosa em nome de Cristo e
Quero encontrar-te
Senhor Soren
Quero nomear meu filho assim, Soren

Teu semblante triste eu trago do berço,
Quero teu ímpeto libertário
Para denunciar nossas incongruências
Nossos nadas (trans)feitos doutrina,
Adaptação e contentamento

Eu quero teus saltos
Pois tenho asas e um teto
Que me prende de usá-las
(e um mundo a alcançar para Cristo)

Ah, Soren, com o perdão da truculência
Quero dar uma banda
No coro dos contentes
E deitar todos de pernas
Para o ar

-Quem sabe, de um
Outro ângulo,
Finalmente não enxergam
Os não alcançados?


Trago uma rosa para ti, para mim
- Para a multidão de nós

e laços -

Oxalá a realize

Sammis Reachers

2 comentários:

Thaís Chioqueti disse...

Quem lê Kierkegaard que entenda suas palavras.... eu sou adicta nos livros dele e simplesmente amei seu poema... que aprendamos com ele.

Sammis Reachers disse...

Obrigado pelo comentário, Thaís. Realmente Kierkegaard tem muito a nos ensinar, pelo seu gênio e pela sua independência - desconcertante para muitos afeitos ao status quo.