terça-feira, 11 de maio de 2010

A Morte que mata o Ser


Uma nota de suicídio na porta do quarto de Chatov (nome meramente literário), dizia: «Entrem, estou enforcado». Mas ele já não «está», ele já não «é».
A morte traz a ausência do Ser e com ela a não prestabilidade do corpo. Fernando Pessoa viu bem esta relação Ser, corpo e utilidade no poema «O menino da sua mãe»: «Está inteira / e boa a cigarreira. / Ele é que já não serve».
A Primeira Vez
A primeira vez que a palavra morte se verbalizou através da conjugação de um verbo, como uma acção contra o Ser, foi no jardim do Éden e foi o Criador da Vida que a proferiu (Gn 2,17), como um aviso conducente ao Bem e ao Mal e ao livre-arbítrio do Homem.
Aceitamos que Deus falava de duas mortes, que se viriam a institucionalizar, digamos assim, a morte física e a espiritual. Depois Caim materializou a parte física da morte ao assassinar Abel.
A Morte para matar o Ser estava instituída sobre a Terra.
Caim teve, apesar do seu terrível feito, da sua arqui-construção da ideia e do facto «Morte», consciência disso, ao transpor para a universalidade dos seres humanos o incontornável verbo «morrer», ao percepcionar que qualquer um o poderia «matar».
«E serei fugitivo e errante na terra, e será que todo aquele que me achar me matará»- disse, no livro do Génesis.4,14.
Quando se morre, já não se «está». O nosso «Chatov» dispunha de Ser, quando escreveu a sua nota de suicídio «era» ou, para usar uma expressão de Heidegger, o filósofo do Ser, era «Ser-aí» (Dasein -o ser-aí ou o ser-no-mundo), ao perpetrar a sua própria morte deixou de «ser», deixou de «estar».
Por essa razão, o suicídio como resultado a que qualquer desespero conduz, é ampliado para um delicado problema filosófico, mas sobretudo teológico nosso contemporâneo.
Desde o século XX, designadamente, teólogos protestantes célebres têm-se debruçado sobre o suicídio como sendo este uma resposta materialista ao divino, Paul Tillich e Karl Barth. Também o olhar e pensar filosóficos, por exemplo, de Albert Camus, foram nesse sentido.
Não é mero axioma o início do celebrado «Mito de Sísifo», de Camus, quando escreve que «só há um problema filosófico verdadeiramente sério: é o suicídio». Claro que o evidencia como resultado do seu pensamento, não existencialista que não foi, mas de filósofo e romancista perante o absurdo que ele considerava na existência humana. Por essa razão, prossegue ao qualificar a importância do problema, que é o suicídio, como uma resposta ao julgamento de se «a vida merece ou não ser vivida».
Se não merece, então está justificado o suicídio, a morte voluntária, como alguns sociólogos já lhe chamaram.
Aquele romancista-filósofo escreveu, ainda naquele ensaio, que nunca viu ninguém morrer pelo argumento ontológico, em contrapartida, disse que viu que morrem muitas pessoas por considerarem que a vida não merece ser vivida.
Mas desde o Éden, desde os primeiros capítulos da humanidade iniciada em Adão e em Eva, que a morte e o morrer começaram por ser ontológicos e se passaram para o plano meramente físico, a essencialidade jamais deixou de estar no Ser.
Os crentes, os Cristãos pelo menos, para não falar dos Judeus ou dos Islamitas, sabem que no Ser humano vem em primeiro lugar a essência e depois a existência, porque o homem é criação divina.
Morrer o Ser
Matar-se é, em certo sentido, confessar, proposta camusiana que tende a contribuir subjectivamente para o existencialismo, mas só na medida em que o romancista referido diz que é «confessar que se foi ultrapassado pela vida».
Esta é uma perspectiva de um agnóstico que estruturou o seu pensamento no problema da ausência de Deus, nunca afirmando a Sua não existência. Disse-o, com compreensão pelos crentes, desta forma: «ninguém pode desencorajar o apetite da divindade no coração do homem».
Isto dito por um homem sem fé, é marcante. «A existência humana é um perfeito absurdo para quem não tem fé na imortalidade»
A auto-negação da vida, a implícita negação da imortalidade da alma e do espírito da criatura humana na acepção bíblica, é uma forma de atentar, lograda ou não, contra a centelha do divino no coração do homem.
A teologia evangélica contemporânea, pela voz dos seus teólogos mais proeminentes do século XX, asseverou, com toda a colaboração bíblica, que a resposta ao suicídio, não é que o homem deva viver, mas que possa viver.
O suicídio é excluído pela graça de Deus, pela cruz e pela ressurreição de Jesus Cristo, na qual o pecado de rebelião contra a graça de Deus é expiado e abolido- escreveu de modo definitivo o teólogo Bernard Ramm.
Deus disse sim ao Homem, na Cruz através de Jesus Cristo, o suicídio quando ocorre é o homem a dizer não a Deus. É uma revolta contra o Amor divino ao Ser. Porque o Ser foi gerado pelo sopro divino nas narinas de Adão.
João Tomaz Parreira

Um comentário:

Britney disse...

The day came when it was her birthday, her birthday at the age of 20, that is a special day for a girl. Every girl will strive to make this day to be meanful as much as possible, I never forgot the moment when I held the special gift:A pair of MBT Lami Shoes in front of her, tears ran from her eyes, She was moved facing my special gift. I never thougt she would like that. Friends around said high of the gift, and everybody just forced me to confess the source of the MBT Shoes Clearance Sale, I had thought never told them this secrety, but I can not manage their constrain. When they learned that my gift for my love is from an online store, they just jumped into the sky and express that they all would like to buy the MBT Anti Shoes Cheap on line. To my surprise, one week later, I found that all of the friends took part in the party that day,everyone with a pair of MBT Voi Shoes.

Four years later,the girl became my pretty wife, She had accept four pairs of MBT Shoes, I can only say:MBT Shoes brought my wife! Today we are still enjoy the healthy life that MBT Shoes Sale brought to us! thanks for the MBT shoes!

Indeed, The BRAND:MBT had brought us an unusual Concept for health,that is:walking or jogging is an enjoyment!When we walking,we are Massaging for our feet, and the health of our feet is related to our heart and other organs. But walking or jogging needs a pair of good shoes. MBT Shoes satisfied people's demands, the MBT Chapa Men Shoes is a best choice for men from all over the world.nowadays, more and more men choose the MBT Sport Men Shoes as their equipment when it is the time do exercise.

In addition, the MBT Company has recently produced some new arrivals:MBT Kisumu 2 Sandal for people simulates barefoot walking for improved gait and fitness.MBT Habari Sandal will give you an unusual summer:crisscrossing leather straps shape a comfy sandal featuring a patented Masai Sensor sole that has a soft surface similar to walking on a sandy beach. Wearing MBT Walking Shoes Sale to close the nature, to know our earth again. Love nature love peace, for White-collar workers,students,Ladies who love shopping,this is true in particular.Choose Cheap MBT Shoes maybe you can experience an taste that differs from others.