sábado, 2 de maio de 2020

Filho do homem, use-me!




Eu sou a Bíblia.
Eu sou a Biblioteca maravilhosa de Deus.
Eu torno conhecido de todos Aquele que é a Verdade.
Para o cansado peregrino, Eu sou um forte cajado.
Para aquele que está em trevas, Eu sou uma gloriosa luz.
Para aquele que está abatido pelo peso dos fardos, Eu sou o descanso.
Para o extraviado, Eu sou um Guia seguro.
Para os que se acham feridos pelo pecado, Eu sou um bálsamo.
Para os desanimados, Eu transmito uma alegre mensagem de esperança.
Para os náufragos das tempestades da vida, Eu sou âncora firme e segura.
Para os que sofrem na solidão, Eu sou a mão fresca e macia que repousa
sobre a fronte febril.
Ó FILHO DO HOMEM, PARA MELHOR DEFENDER-ME, APENAS USE-ME.
The Ministry / Silvano da Silva Reis - Mil e Uma Ilustrações para Sermões, Pregações & Palestras

domingo, 5 de abril de 2020

Pastor Youcef Nadarkhani ainda está preso - Restrospectiva da Perseguição

.
.
Pastor Youcef e Tina Nadarkhani

Qual é situação atual do Pastor iraniano Youcef, da sua família e de outros irmãos de seu círculo de amigos? Neste post, fiz uma tradução da RETROSPECTIVA  de perseguições e abusos de autoridades iranianas sobre este pastor, família e amigos. A fonte da consulta é  o site da Chuch in Chains (Igreja em Cadeias).

"TIMELINE"
.
Tradução de João Cruzué
.


RETROSPECTIVA

Em dezembro 2006, Pastor Youcef foi preso sob acusação de apostasia e evangelismo, mas foi liberado duas semanas mais tarde.

Em setembro de 2009, Youcef foi detido depois ir à escola de seus filhos protestar contra uma decisão do governo de ensinar o Islã a todas as crianças, inclusive para os filhos de famílias cristãs, uma política que ele  entende como inconstitucional. Ele foi acusado de protestar e preso em Lakan, cinco quilômetros ao sul de Rasht. As acusações foram depois alteradas para apostasia e evangelismo, tendo as autoridades o pressionado para renunciar a sua fé.

Um Tribunal de Rasht declarou Youcef culpado da apostasia e o condenou à morte por enforcamento. Ele argumentou que embora tenha nascido em uma família muçulmana, nunca realmente acreditou ou praticou o Islã e por isso não deveria ser considerado como apóstata.  Seu advogado protocolou com um pedido de apelação.

Em Junho de 2011, a Suprema Corte sustentou a condenação de Youcef e a sentença de morte, mas enviou o seu caso de volta ao Tribunal local em Rasht para esclarecer se ele tinha verdadeiramente sido um muçulmano praticante até os 15, antes de se tornar um cristão aos 19 anos. 

Nota: Neste momento houve forte pressão mundial sobre as autoridades políticas do Irã. Inclusive, este blogueiro enviou uma carta ao Ministro de Relações Exteriores do Irã (que veio ao Brasil) e cedeu cópia do modelo para que outros também se manifestassem.



Em setembro/2011, o Tribunal local em Rasht verificou que ele não tinha sido um muçulmano praticante, mas que o havia declarado culpado de apostasia devido a sua linhagem muçulmana. Os juízes repetidamente exigiram que Youcef se retratasse de sua fé cristã, mas ele se recusou.

Em 08 de setembro de 2012, Pastor Youcef foi absolvido da apostasia em nova Decisão da Suprema Corte e liberado, mas declarado culpado por evangelizar e, assim, o condenou a três anos de prisão, a maior parte dos quais ele tinha cumprido. Ele foi novamente levado à prisão de Lackan no Dia do Natal para cumprir o resto da pena, tendo sido solto no dia 7 de Janeiro de 2013.

Em 13 de maio de 2016, Pastor Youcef foi detido com vários outros convertidos em uma série de incursões  realizadas por agentes do Ministério da Inteligência em dez lares cristãos em Rasht. Os agentes invadiram um culto de comunhão cristão em casa de Yasser Mossayebzadeh onde confiscaram Bíblias, computadores, celulares e levaram Yasser, Youcef e Tina em custódia. O Pastor e a esposa Tina Youcef foram multados mais tarde naquele dia. Depois, mas tarde, os agentes detiveram [os irmãos] Mohammadreza Omidi e Saheb Fadaie.  Yasser e Saheb foram multados nos dias 28 e 29 de maio de 2016, e Mohammadreza no dia 7 de Junho de 2016, todos com penalidades equivalentes a 29.000 euros (R$ 167.538,15).

Em 24 de julho de 2016, os oficiais intimaram Pastor Youcef a comparecer perante o Tribunal Revolucionário em Rasht onde o acusaram de “crimes contra a segurança nacional” além de tê-lo multado em equivalente a 29,000 euros. Ele também foi acusado de ser Sionista.

Em 14 de Junho de 2017, o Pastor Youcef, Yasser, Mohammadreza e Saheb foram intimados a comparecer diante da 26ª Vara do Tribunal Revolucionário de Teerã onde foram considerados culpados “de atuação contra a segurança nacional” inclusive “por cultos domésticos de pregação” e “promoção da cristandade e Sionista”. O juiz Ahmadzadeh os condenou a dez anos de prisão, cada um. O veredicto foi datado de 24 de junho, mas só recebido em 06 de julho pelo seu advogado. O juiz também sentenciou que Youcef e Mohammadreza tivessem a pena aumentada em dois anos a ser cumprida em exílio interno ao Sul do Irã, longe de suas famílias, O Pastor Youcef foi levado para Nik Shahr, a 2.000 km a sudeste de Rasht. Os dois apelaram da sentença em liberdade.

Em 13 de Dezembro de 2017, o Pastor Youcef, Yasser, Mohammadreza e Saheb compareceram durante o julgamento da apelação no Tribunal Revolucionário em Teerã, perante os juízes Hassan Babaee e Juiz Ahmad Zargar e ambos alegaram que têm papéis proeminentes na repressão do Irã sobre  liberdade da expressão. A apelação não prosperou.

Em 02 de Maio de 2018, o Advogado dos quatro acusados recebeu um Mandado do Tribunal sustentando as sentenças de dez anos de prisão. Eles foram para casa, onde ficaram aguardando a intimação formal para ir à prisão.

Em 22 de julho 2018, bem cedo no domingo, aproximadamente dez oficiais da polícia arrombaram a porta da casa dos Youcef e arrastaram violentamente para fora o Pastor e seu filho Daniel, agredindo-os com socos e bastões elétricos, apesar de que nenhum deles ter oferecido qualquer resistência. Tina Youcef (esposa) e Joel (filho) também estavam em casa naquele momento. O Pastor foi agredido e levado embora à Prisão Evin em Teerã onde foi inicialmente mantido em confinamento na solitária, antes de ser transferido para uma ala conhecida por  suas condições extremamente pobres, com superlotação, calor excessivo no verão e infestação de insetos.

Em 23 setembro 2019, o Pastor Youcef iniciou uma greve de fome para protestar contra as autoridades que têm impedido seus dois filhos de continuar estudando, por se recusarem a participar das aulas de ensinos Islâmicos. Disseram a Joel naquele dia que ele seria barrado da escola. Aos filhos do Pastor Youcef e Tina foi negada a entrega dos certificados de conclusão de curso da escola porque o Estado se recusava a reconhecê-los como cristãos e, assim, isentá-los da educação Islâmica. Os adolescentes não são reconhecidos como cristãos porque seus pais deixaram o Islã, sendo considerados apostadas, diferentemente de outros cristãos cujas famílias vieram de etnia armênias ou assírias.

Em 13 de Outubro de 2019, O Pastor Youcef terminou uma greve de fome de três semanas que teve efeito prejudicial a sua saúde. Por enquanto, não houve nenhuma modificação nas circunstâncias de seus filhos, mas as autoridades da prisão asseveraram a Youcef que a matéria seria investigada.

SP - 04.04.2020.

Algumas postagens que escrevi sobre o caso:


1. Segunda-feira, novembro 01, 2010
https://olharcristao.blogspot.com/2010/11/pastor-cristao-youcef-nadarkhani-recebe.html
Pena de Morte

2. Sábado, outubro 01, 2011
https://olharcristao.blogspot.com/2011/10/o-segundo-julgamento-do-pastor-youcef.html
Segundo julgamento

3. Sábado, outubro 01, 2011
https://olharcristao.blogspot.com/2011/10/petition-to-iran-ministry-of-foreign.html
Petição ao Ministro de Relações Exteriores do Iran

4. Quarta-feira, outubro 12, 2011
https://olharcristao.blogspot.com/2011/10/caso-do-pastor-youcef-nadarkhani-vai.html
Suprema Corte

5. Domingo, outubro 30, 2011
https://olharcristao.blogspot.com/2011/10/carta-da-prisao-de-lakan-pastor-youcef.html
Carta da prisão

6. Domingo, outubro 30, 2011
https://olharcristao.blogspot.com/2011/10/autoridades-iranianas-colocam-falso.html
Falsos comicados

7. Sexta-feira, fevereiro 24, 2012
https://olharcristao.blogspot.com/2012/02/pastor-youcef-nadarkhani-um-passo-da.html
A um passo da forca

8. Domingo, setembro 09, 2012
https://olharcristao.blogspot.com/2012/09/pastor-youcef-nadarkhani-esta-em.html
De volta para casa

9. Quarta-feira, janeiro 09, 2013
https://olharcristao.blogspot.com/2013/01/a-verdade-sobre-perseguicao-de-cristaos.html
Perseguição de Cristãos no Irã



Matéria Complementar

Representação oral contra o Irã em reunião do 
Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas.


.

"Blog Olhar Cristão - De volta ao teclado"



terça-feira, 31 de março de 2020

Das (im)possibilidades processuais da Felicidade



Ser feliz depende não apenas de construir, mas de construir e ACREDITAR numa poderosa ilusão. Como construto de pó, ou de homem (e não é a mesma coisa?), sua durabilidade é variável; a força da felicidade será a força mesma com que ela é crida, contra a realidade e contra o tempo. Não se trata de uma ideia monotemática apenas ( "tenho mais dinheiro que o vizinho e sou feliz", ou "desejo poucas coisas e sou feliz"), trata-se de um grande construto, uma quase "cosmovisão". Uma pequena ilusão amparada em outras, uma ilusão-em/do-processo.


Por que "ilusão"? Porque do lado de cá a Bíblia não promete felicidade a ninguém. O Eclesiastes é quase pornográfico ao esclarecer nossa situação. Dá-se um pouco de sorte, força-se a barra, e principalmente: Iludimo-nos. Mesmo o cristão, que se esquece de que é soldado e serviçal para se pensar príncipe, e ainda "eleito".

Mas não se envergonhe: Nossa sanha por fuga e por acreditar no melhor assegura que somos feitos para a felicidade, e se ela não está aqui neste mundo, ela está em outro, como diria de alguma outra forma C. S. Lewis.
Somos seres-em-processo, ou seres processuais; a Felicidade é o que está ao fim da marcha momentaneamente absurda, na conclusão do processo, na COMPLETAÇÃO.
Felicidade segura ou real só pode advir da eternidade, do invariável, da companhia dEle, e num espaço preparado para tal.


Sammis Reachers

domingo, 19 de janeiro de 2020

Estudos Bíblicos diários (em vídeo): Café da Manhã Espiritual


A iniciativa Estudos Bíblicos - Café da Manhã Espiritual (Minutos com Deus), é um trabalho desenvolvido pela irmã Kaka Gomes e que objetiva compartilhar, a cada dia, uma pequena reflexão dirigida a partir de um versículo bíblico selecionado.
Através de breves vídeos, publicados no Youtube e em redes sociais, somos edificados com palavras de reflexão e exortação.

Canal do Youtube: https://www.youtube.com/channel/UC4Bl9olRK3Gzp6rgHzSLZLQ
Blog: https://estudobiblico.home.blog/
Página Facebook: https://www.facebook.com/estudosbiblicos.home.blog/


Ouça algumas das reflexões:


 




sexta-feira, 20 de dezembro de 2019

VOCÊ É A JANELA DO SEU FILHO - Uma ilustração tocante



O poder que você tem a esse respeito nos lembra a comovente e agridoce história da janela, de G. W. Target:
Havia uma vez dois homens muito doentes no mesmo quarto de um hospital. Um dos homens, como parte de seu tratamento, foi autorizado a sentar na cama durante uma hora à tarde. Sua cama estava perto da janela que dava para o exterior.
O outro homem teve que permanecer deitado de costas o tempo todo, e ambos tinham que permanecer quietos e calmos. Essa foi a razão pela qual eles estavam sozinhos naquele pequeno quarto, e estavam gratos pela paz e privacidade que tinham. Uma desvantagem de sua condição era que não lhes permitiam fazer muitas coisas: eles não podiam ler, não podiam ouvir o rádio, muito menos assistir TV. Eles tinham que ficar quietos.
Então eles conversavam por horas e horas sobre a vida, a família e coisas assim. Toda tarde quando o homem ao lado da janela era levantado, passava o tempo descrevendo o que ele podia ver lá fora; e o outro homem começava a viver durante essas horas.
Da janela, podia-se ver, aparentemente, um lago, onde havia patos, e crianças jogando pão e brincando com eles, e jovens amantes de mãos dadas andando sob as árvores; havia flores e grama, partidas de futebol, pessoas curtindo o sol e, além das árvores, uma bela vista da cidade.
O homem apoiado nas costas ouvia tudo com atenção, aproveitando cada minuto. Chegou ao ponto de quase poder ver o que estava acontecendo lá fora.
Então, uma tarde, quando houve uma espécie de desfile, um pensamento o dominou: Por que o homem tinha que desfrutar perto da janela todo o prazer de ver o que estava acontecendo? Por que ele não podia ter a mesma oportunidade? Ele sentiu vergonha, e tentou não pensar assim, mas quanto mais ele tentava, mais queria mudar para aquele lugar. Não sabia o que fazer. Em poucos dias já estava amargurado. Ele queria estar ao lado da janela. Ele começou a planejar o que fazer, já não conseguia mais dormir bem e se sentia cada vez mais doente, algo que nenhum médico explicava.
Uma noite, enquanto olhava para o teto, o outro homem acordou
tossindo e engasgando; ele estendeu a mão para o botão que faria a enfermeira correr para ajudar. Mas ele assistiu a tudo sem se mexer. A tosse explodiu no escuro sem parar, sufocando o homem; por fim, cessou; o som da respiração deixou ser ouvido. O homem continuou olhando fixamente para o teto.
De manhã, a enfermeira entrou com água para lavá-los e encontrou o homem morto. Eles removeram seu corpo do quarto.
Assim que teve oportunidade, o homem perguntou se eles poderiam mover a sua cama para o lado da janela. Ao fazer isso, eles consertaram também as roupas para fazê-lo se sentir mais confortável, e eles o deixaram sozinho. Assim que eles saíram, ele se apoiou em um dos cotovelos para olhar pela janela. O que ele viu foi uma parede branca.
Esta história ilustra um princípio simples. Muito do seu filho vê, ele o faz através de seus olhos. O que você vê e o que você diz que vê têm muita influência sobre ele. Certifique-se de que ele experimente alguma felicidade, encorajamento, antecipação, alegria e amor.
Com sua ajuda, ele começará a ver tudo isso claramente.


Do livro 504 Ilustraciones Preferidas, de José Luis Martínez

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

A importância de ter uma visão



A IMPORTÂNCIA DE TER UMA VISÃO

Não se lance ao caminho
se você não carrega sequer
a luz de uma esperança;
se você não carrega sequer
a luz de um sonho lindo,
não se lance ao caminho ...

Não se lance ao caminho
se você não carrega sequer
algum ideal oculto;
se você não tem uma visão.
Não se lance ao caminho.
Viandante e peregrino,
o cume não é alcançado
sem um brilho do divino.

Autor desconhecido

domingo, 8 de setembro de 2019

Folheto gratuito para a evangelização de marinheiros (em português e inglês)


Há algum tempo, iniciamos um projeto de criação de folhetos evangelísticos, com mensagens contextualizadas para grupos específicos. A ideia era principalmente contemplar aqueles grupos/segmentos que não possuem material específico disponível no mercado ou na internet. Neste esforço, uniram-se a nós o irmão Julio do site Missões em Suas Mãos e diversos outros colaboradores. Os primeiros frutos deste esforço foram o folheto para RODOVIÁRIOS, seguido de MORADORES EM SITUAÇÃO DE RUA e GAMERS.
Agora, um sonho antigo se realiza, com a publicação de um folheto dedicado à evangelização de MARINHEIROS (marítimos / aquaviários). E o melhor: disponibilizamos o folheto, além de em PORTUGUÊS, também em INGLÊS, o que aumenta em muito o seu alcance.
O arquivo do folheto (em PDF), está disponibilizado em DOIS formatos: um ideal para a impressão em CASA, e outro otimizado para a impressão em GRÁFICAS. Você pode imprimir quantos exemplares quiser, sem precisar de autorização. Solicitamos apenas que os folhetos não sejam VENDIDOS.
Compartilhe esse recurso com igrejas, missões, missionários e obreiros que possam ter interesse no material. E lance a semente, para a glória de Deus e salvação dos que perecem!

PORTUGUÊS
Para baixar a versão em PORTUGUÊS para a impressão EM CASA, CLIQUE AQUI.
Para baixar a versão em PORTUGUÊS para a impressão EM GRÁFICAS, CLIQUE AQUI.


INGLÊS
Para baixar a versão em INGLÊS para a impressão EM CASA, CLIQUE AQUI.
Para baixar a versão em INGLÊS para a impressão EM GRÁFICAS, CLIQUE AQUI.


LEIA ABAIXO A MENSAGEM:

O SALMO DOS MARÍTIMOS
Uma versão dos marítimos, do Salmo 23, foi publicada no Boletim do Capelão da Armada, em Washington. Sua autoria é atribuída a J. Roger, comandante da marinha mercante, que o teria escrito durante a Segunda Guerra Mundial. Diz o seguinte:
"O Senhor é o meu piloto; eu não cairei. Ele me alumia em meio às águas escuras; conduz-me a canais profundos; guia o meu barco. Orienta-me pela estrela da santidade por amor do Seu nome. Ainda que eu navegasse por entre as trovoadas e tempestades da vida, não temeria mal algum, porque Tu estás comigo. O Teu amor e o Teu cuidado me abrigam.
Preparas um porto perante mim na Terra da eternidade; unges as ondas com óleo; o meu barco desliza suavemente. Certamente que a luz do Sol e das estrelas me favorecerão todos os dias da minha viagem, e descansarei no porto do meu Deus para sempre."
Seja na navegação de cabotagem ou de longo curso, são muitas as dificuldades com que o marítimo ou aquaviário pode se deparar. Hoje a navegação eletrônica e seus muitos aparelhos facilitaram a vida dos que se dedicam à navegação, mas ainda assim os riscos existem. Da mesma forma ocorre em nossas vidas: Hoje estamos bem, com saúde e segurança financeira e emocional; mas inesperadamente podemos atravessar tempestades como desemprego, abandono, depressão...
 Em meio a um temporal, a Bíblia fala sobre marinheiros que “clamam ao Senhor na sua angústia; e ele os livra das suas dificuldades. Faz cessar a tormenta, e acalmam-se as suas ondas. Então se alegram, porque se aquietaram; assim os leva ao seu porto desejado” (Sl 107.27-30).
Há mais de dois mil anos atrás, numa travessia de barco pelo Mar da Galileia, os discípulos de Jesus, muitos deles pescadores, viram-se em apuros durante um vendaval que perigava tombar sua pequena embarcação. Em meio àquele desespero, Jesus descansava tranquilamente. Ao ser acordado, Jesus repreendeu os ventos e o mar, que imediatamente acalmaram-se; e disse aos seus discípulos sobre a necessidade de terem e exercitarem sua fé nEle.
Pois é baseado na fé em Cristo que obtemos socorro e salvação para nossas vidas. O pecado causou o nosso afastamento de Deus. Boas obras, por mais que sejam ou nos pareçam valorosas, não podem cobrir a dívida dos nossos pecados, que todos os dias é multiplicada. Deus assim propôs a solução para a dívida da humanidade em seu próprio Filho, pois Cristo viveu sem pecados e morreu sem culpa, fazendo-se culpado em nosso lugar, e pagando de uma vez por todas a nossa dívida. Por isso a Bíblia diz: “Aquele que crer... será salvo” (Mc 16.16). Nenhuma tempestade será poderosa o bastante para nos separar da salvação oferecida por Aquele que criou os céus, a terra e os mares. Ele mesmo prometeu, após ressuscitar e subir aos céus, onde vela por nós: “E eis que estou com vocês todos os dias até o fim dos tempos” (Mt 28.20b).
Deus oferece hoje, através de seu filho Jesus Cristo, a sua mão estendida, um porto seguro com oferta de paz, ajuda e salvação eterna. Aceite hoje a este amigo que não trai ou abandona, e que deseja estar contigo a cada instante e por toda a eternidade.
Leia a Bíblia e aprenda mais sobre o plano de Deus para a salvação da humanidade. Alimente-se e seja fortalecido com as suas maravilhosas promessas. Faça uma oração, conversando com Deus, assim como você fala a um amigo, e confesse seus pecados, pedindo para Jesus tomar conta de sua vida e suas ações de agora em diante. Busque a comunhão com outros cristãos em uma igreja, ou num grupo de estudo bíblico aí mesmo em sua embarcação. Deus ama você!
S. R. 

_______________________________________

Para maiores informações, escreva para:  sreachers@gmail.com

domingo, 28 de julho de 2019

SE NÃO TIVER JESUS NA (sua) ESCRITA


Posso escrever excelentes textos de aconselhamento ou de auto-ajuda; falar de coisas dignas da vida e de como construir um futuro promissor. Mas se o meu texto não tiver Jesus e Sua Palavra, de nada me valerá.
 
Posso demonstrar todo o conhecimento adquirido ao longo dos anos nas áreas de administração, psicologia, secretariado e diplomacia; posso analisar os fatos da vida, das guerras, da política e do mundo; mas se a minha análise não contemplar Jesus e Sua biografia, nada adiantará.
 
Posso descrever as situações psicológicas da humanidade, indicando análises e psicanálises de valor; posso avaliar no tempo e no espaço as razões e os motivos culturais, sócio-econômicos e cronológicos que levam a raça humana a agir como age dentro de suas gerações; mas se não olhar tudo isso sob o prisma de Jesus, nenhum significado relevante e permanente haverá.
 
Um escritor cristão precisa de Jesus. Ele não se divorcia de Cristo ao escrever os seus textos. Ele não abdica de sua fé para introduzir conceitos psicológicos ou psicanalíticos diversos. Toda a sua fala está construída sobre os valores que sedimentaram-se em seu coração pela fé que vem pelo ouvir e o ouvir a Palavra de Cristo.
 
É impossível esconder o cristianismo no texto de quem é, de fato, um cristão. Mas é impossível encontrar Cristo naquele que não o mantém nem na mente e nem no coração, só na nomenclatura (cristão) ou nos adornos e enfeites (crucifixos e paramentos). As lâmpadas acesas clareiam; as apagadas nem são encontradas, pois mantém tudo no escuro.
 
Ao final de tudo os conceitos que hoje temos de psicanálise, psicologia, administração, auto-ajuda, posições políticas e diplomacia poderão mudar, acabar, melhorar, piorar. Tudo passará.
 
Mas aquele que mantém Cristo em tudo o que faz e, principalmente naquilo que escreve, tornará os seus textos relevantes para todo o tempo em que o mundo permanecer.
 
Pois tudo passa e toda a sua concupiscência; mas aquele que escreve fundamentado em Cristo em em Seus valores terá seu texto considerado atemporal, pois fundamentado nos imutáveis valores do Senhor.
 
Obs: ofereço ao escritor que fala bonito, mas
que deixou-se seduzir pelo humanismo, esquecendo-se
do Redentor que lhe dotou do dom da escrita.
 
por Wagner Antonio de Araújo

domingo, 14 de julho de 2019

ORAI PELOS ENCARCERADOS - Wagner Antonio de Araújo


Lembrai-vos dos presos, como se estivésseis presos com eles, e dos maltratados, como sendo-o vós mesmos também no corpo. (Hb 13:3)
 
Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e fostes ver-me. (Mt 25:36)
 
Mas estes, como animais irracionais, que seguem a natureza, feitos para serem presos e mortos, blasfemando do que não entendem, perecerão na sua corrupção, (2Pe 2:12)
 
A moderna sociedade interpreta a prisão como um meio de ressocialização. Porém, interiormente, o nosso coração clama por punição, justiça. Justamente por falta deste elemento de retribuição é que acontecem diversos crimes e justiça com as próprias mãos, sempre impróprias, desproporcionais e sem moral.
 
As prisões brasileiras estão repletas de pessoas que devem pouco, enquanto muitos dos que muito devem estão ou no poder ou no empresariado. Os valores deste país não são nem justos e nem bíblicos. Honra-se o ímpio e pune-se o justo. Porém, entendendo-se que crime é crime, a prisão separa aqueles que devem e têm que pagar; separa aqueles que são um perigo para a sociedade, pelo menos teoricamente.
 
Mas são prisões horríveis e infernais. Um preso gasta R$1.400,00 de sustento em SP e R$4.200,00 numa prisão tercerizada do Amazonas. São os nossos impostos que pagam essa mantença. Um dinheiro desses poderia prover locais limpos, bem guardados, arejados, seguros, disciplinados, com organização e regras. Contudo, assim como um grande cano cheio de vazamentos, o dinheiro de cada preso irriga a corrupção de tantos, que vivem dos desvios públicos. Ao preso reserva-se gaiolas abarrotadas, latrinas imundas, salões insalubres, servidores inseguros e despreparados e uma ampla liberdade de circulação de gente e comunicação com o crime exterior das cadeias. Ou seja: o preso está apenas alocado na cela; mas continua em plena atividade criminal. No exterior um preso precisa usar telefone público e em frente de servidores públicos; aqui eles possuem até rede de comunicação por internet.  Nós, do lado de fora, ficamos perplexos. Eles, do lado de dentro, criam suas instituições paralelas, verdadeiros mini-estados onde celebram suas datas, defendem seus cidadãos e punem os seus inimigos. Ou seja: um poder paralelo que não tem limite. Por esta razão o país está perplexo e agora, através da mídia, expõe publicamente toda a podridão e a dimensão deste mal.
 
Mas, o que os três versículos que citei no início têm em comum com esta meditação?
 
1) O Apóstolo Paulo, inspirado pelo Espírito Santo, ordena aos cristãos para lembrarem-se dos encarcerados e maltratados, e diz que deveríamos sentir a sua própria dor. Que dor? Não estão lá por demérito próprio? Muitos sim, mas outros não. Há gente inocente que está presa. Imaginemo-nos no lugar de um inocente, preso por engano, que é obrigado a submeter-se à submissão animal e ao fétido ambiente prisional para não ser morto. Um pai de família injustiçado, um jovem confundido, um perseguido por racismo, um jurado de morte no bairro onde vivia. Deus diz que devemos orar por eles. E pelos outros, pelos que merecem estar lá? Também orar, pois, atrás de toda essa bárbara satanização de vida, existe um resto da imagem original de Deus no coração de cada homem. E, se despertados em seu entendimento e em sua morte espiritual, poderão ter um autêntico encontro com Deus, uma transformação radical de vida. Poderão tornar-se novas criaturas e serem transformados nas celas. Libertados na prisão!
 
2) Jesus diz que esteve preso e que foram vê-lo. Quando esteve preso? Ele mesmo responde: quando fizermos isso por alguém, teremos feito a Ele. Como comparar Jesus a um marginal encarcerado? Não há comparação. A aplicação é outra: com o mesmo amor com que faríamos uma visita ao Senhor Jesus, deveríamos também nos ocupar e visitar um aprisionado, levando a ele uma atitude de autêntico amor. Porém, com critério e com cuidado, para que não nos tornemos reféns de atitudes nobres, mas imprudentes. Visitar Jesus na prisão é não esquecê-los como se fossem restos depositados num chiqueiro. Pensar e visitá-los é encaminhar a eles a mensagem de Cristo, os cuidados de Cristo, o amor em prática através de cuidados, de ajuda, de solidariedade com a família sofredora. O amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. Se fizermos isso como que para Jesus, faremos com amor. E Jesus disse que entenderá ser para Ele mesmo que fizemos.
 
3) Os blasfemos, violentos, maus, perecerão. Sim, é o que a Bíblia promete. Muito além da justiça humana, que é falha e imperfeita, a justiça divina saberá punir para sempre e de forma exemplar aquele que possui maldade intrínseca à sua natureza. Pessoas que não apenas matam, mas degolam, arrancam o coração, desossam, cospem, fazem vazar as entranhas, riem, se divertem a jogar futebol com a cabeça de um inimigo, tudo isso virá a juízo diante do Grande Trono Branco, onde o Justo Juiz impetrará a sentença final: a perdição eterna no lado de fogo e enxofre, onde o seu bicho não morre e onde o fogo nunca se apaga. Sofrimento eterno, não aniquilação eterna. Será terrível, horrendo, monstruoso, mas a Justa Justiça saberá dosar, impetrar, punir e fazer imperar a vontade do Criador. Nós sabemos quem são essas pessoas? Não. E por que não? Não são os que são cruéis? Sim, mas até um cruel pode ser, subitamente, alcançado pela luz do Céu e converter-se dos seus maus caminhos. Até um ímpio por completo pode ser transformado numa nova criatura, num novo nascido, num salvo pelo sangue de Cristo. O Apóstolo Paulo afirmou: Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal. (1Tm 1:15).
 
Lembremo-nos que José do Egito foi um presidiário. E alí na prisão Deus usou a sua vida, tirando-o de lá e transformando-o no primeiro ministro do Egito. Daniel, o profeta, também; foi salvo da boca dos leões. Pedro, Paulo, João, Barnabé, Silas, todos foram encarcerados e diversos deles morreram decapitados, queimados, morreram na prisão. Mas eram crentes e luz para a glória de Deus. Há gente do Senhor nas prisões horrendas deste país. E nós devemos orar por eles. Orar e sustentá-los espiritualmente. Corresponder-nos com eles. Se possível, visitá-los. Apoiar o trabalho de missionários que se dedicam a levar o evangelho aos encarcerados. Buscar a justiça para os que ali sofrem injustamente. E clamar para que os ímpios e violentos criminosos sejam salvos pelo sangue de Jesus Cristo, fazendo chegar às mãos deles, aos ouvidos deles a Santa Palavra de Deus, única espada de dois gumes, capaz de converter um criminoso de seus erros e pecados.
 
Nesta semana triste para o Brasil, quando sessenta presos foram decapitados em Manaus por outros prisioneiros de grupos rivais, quando pensamos no grave problema prisional que vivemos como nação, pensemos nesta imensa população carcerária e elevemos aos céus as nossas preces, as nossas orações, em favor dos prisioneiros, para que os que lá estão injustamente sejam libertados, para que os convertidos do Senhor sejam protegidos e aguentem a difícil vida carcerária e para que os ímpios e criminosos, possuídos pelo Diabo, sejam libertados e transformados pelo poder de Deus.
 
Não nos esqueçamos do que o Senhor Jesus citou, em cumprimento ao Seu próprio ministério messiânico:
 
O Espírito do Senhor Deus está sobre mim; porque o Senhor me ungiu, para pregar boas novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos; (Is 61:1)
 
 
Wagner Antonio de Araújo

domingo, 5 de maio de 2019

150 esboços sobre a Oração e diversos outros recursos em livro gratuito


Uma antologia é fundamentalmente um filtro e uma espécie de condensador (meta)literário. Por seu caráter de antologia, e por antologiar gêneros diversos, como frases, sermões e orações, agregando a isso outros recursos práticos, este humilde e gratuito livro, que circula apenas em formato eletrônico, se configura num dos mais significativos livros sobre a Oração já publicados em língua portuguesa. 
Nosso objetivo, ao nos apoiarmos nos ombros de gigantes e usufruirmos dos recursos da lavra dos mais diversos irmãos e ministérios, não é trazer prejuízo a qualquer, mas prestar um serviço à Igreja de Cristo. E cumprir a vocação da literatura cristã de ofertar o melhor conteúdo possível ao máximo de pessoas possíveis, da maneira mais graciosa possível, rendendo nisso glórias ao Deus vivo, de onde todo o bem emana.
Estão aqui coligidas em torno de mil citações, de autores os mais diversos da cristandade, citações divididas em duas partes: Frases Gerais sobre a Oração e Frases sobre a importância da Oração nas obras de Evangelização e Missões.
Para além disso, coligimos 150 esboços de sermões sobre o tema da Oração. Tais esboços, claro esteja, prestam-se igualmente como estudos bíblicos, muito oportunos para os momentos devocionais em particular ou em grupo.
Coligimos ainda trechos de orações de grandes nomes do cristianismo, desde Pais da Igreja como Clemente de Roma até nomes recentes como Martin Luther King. Tais textos não devem ser tomados como modelos rijos e nem prestam-se a objetos para a repetição, mas objetivam apenas ilustrar e aclarar aspectos da oração e dar notícia da devoção e correição de fé de nossos co-herdeiros da graça de Cristo.
Como referido, agregamos a este livro recursos outros que poderão auxiliar todos aqueles que trilham os caminhos da comunhão divina através da oração. Concordância Bíblica ExaustivaDatas Comemorativas para a Intercessão específica, um modelo de Diário de Oração e outros recursos, são itens que irão enriquecer a devoção do leitor.
Oração é oração praticada; sua ciência é quase toda ela empírica, desenvolvida pelo contato dos joelhos no chão e a abertura de coração.
Que este humilde livro, mais do que agregar conhecimento teórico, enriqueça seu ferramental prático e lhe constranja a orar mais e melhor, crescendo de fé em fé, até assenhorear-se de todas as promessas de Deus a que só temos acesso através da oração.
Compartilhe este livro, sempre gratuitamente, com todos os irmãos ao seu alcance.

Sammis Reachers
Organizador

PARA BAIXAR O LIVRO PELO SITE GOOGLE DRIVE, CLIQUE AQUI.

sábado, 16 de fevereiro de 2019

Batalha Espiritual: Separação entre a luz e as trevas


Keka Gomes 

“E disse Deus: Haja luz; e houve luz.
E viu Deus que era boa a luz; e fez Deus separação entre a luz e as trevas.
E Deus chamou à luz Dia; e às trevas chamou Noite. E foi a tarde e a manhã, o dia primeiro.” (Genesis 1.3-5)

“No demais, irmãos meus, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder.
Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo.
Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.” (Efésios 6.10-12)

Em meio às trevas Deus além de manifestar a luz ele observa que ela em si é boa, ao contrário das trevas, e faz uma clara separação, uma oposição.
A Luz manifesta a Verdade. No escuro nada enxergamos. Quando existe claridade neste plano físico podemos identificar aquilo que está perante nossos olhos, assim é quando temos acesso à Luz espiritual, nós compreendemos as situações mais diversas da vida.
É uma batalha entre o conhecer e o desconhecer, ela está primeiramente nas ideias que fazemos de tudo. Aqui neste versículo Deus cria a luz mas vemos que ela não era a luz natural do sol, era uma luz invisível, num outro plano ainda que este plano fizesse parte da terra, foi proclamada a presença de luz aqui mas não como fenômeno físico, com massa.
A bíblia é um livro que fala de muitas pelejas.

É conhecido que existe uma batalha espiritual nos lugares celestiais. Aliás, uma observação a se fazer: De tudo quanto Deus fez existir ele conclui ser bom, exceto quando fez os céus, os lugares celestiais, a atmosfera, o firmamento, o lugar onde habitam as forças malignas como é sitado em Efésios.
Também está claro que existem poderes operando e, por conseguinte, temos uma batalha que é o reflexo do antagonismo da luz e das trevas desde o início da criação, quando Deus faz distinção, separação entre estas duas. Sabemos disto.
Quando a raça humana cai em Adão, a separação feita por Deus na terra entre trevas e luz parece ter sido perdida pela consciência humana. E ela precisa ser restabelecida primeiramente no nosso entendimento, precisamos buscar conhecer tudo o que é Luz para fazer distinção clara do que é trevas. A queda veio por meio do homem que deu origem a um novo caos, o homem ficou separado de Deus, separado da Luz, sem o conhecimento de Deus e das belezas das leis de Deus, a maldade começou a operar no interior do homem, os erros começaram a atuar na mente humana, houve um desvio do que vem a ser o correto e o errado, e a raça humana com toda a criação geme por este colapso.
Adão não conhecia, através da experiência, as reais consequências de desobedecer a instrução divina, Deus lhe deu essa liberdade, não o impediu de agir de forma independente. Aqui recomeça Bereshit (Gênesis), não mais na terra, agora no plano espiritual, na vida humana, há no homem confusão, trevas, escuridão e morte. O homem morreu com Adão. Vejamos que tudo até então estava perfeito, havia plena separação entre trevas e luz, o Éden era um lugar de delícias, de paz, não haviam trevas ali, tudo funcionava em plena harmonia.
A batalha agora é para recuperar o status anterior à queda, pois a transgressão veio por meio do homem e também a regeneração veio por meio de outro homem, Cristo. Cristo é o padrão de Luz na vida humana, ele é aquele que no livro de Apocalipse estava no meio de sete castiçais, ele é a Luz, ele é a Verdade perdida, ele é o Caminho de volta à pureza, à santidade, à felicidade, ao amor, à Vida.
Jesus viveu intensamente a batalha espiritual, ele veio inaugurar o Reino da Luz nos dando vida espiritual através do Espírito derramado em Pentecostes (Shavuot). Jesus era profundo conhecedor das escrituras, da Torá. Quando confrontado por uma potestade maligna, o diabo, ele se defendeu usando o conhecimento que ele tinha da Torá. 
“E Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão e foi levado pelo Espírito ao deserto;
E quarenta dias foi tentado pelo diabo, e naqueles dias não comeu coisa alguma; e, terminados eles, teve fome.E disse-lhe o diabo: Se tu és o Filho de Deus, dize a esta pedra que se transforme em pão. E Jesus lhe respondeu, dizendo: Está escrito que nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra de Deus.(Lucas 4.1-4)

O relato demonstra como um cristão precisa agir quando confrontado nos lugares celestiais, ele precisa imitar o mestre. Quando espíritos malignos nos afrontarem por que nos falta o mantimento ou nos falta seja o que for, e nos acusar de não sermos filhos de Deus, lembremo-nos do que Jesus respondeu, o homem não vive só de coisas desta terra, o nosso sustento não é apenas pão, nós até passamos por breves momentos de privação, mas o sobrenatural nos alcança. Jesus aqui estava usando uma passagem que está escrita em Deuteronômio, capítulo 8, onde estava sendo lembrado ao povo que no meio do deserto Deus enviou o maná, sempre haverá provisão.
As trevas mentem, elas distorcem o conhecimento humano e nos fazem pensar de forma errada sobre Deus.
“Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam;” (Jesus – João 5.39)
Está escrito“, Jesus conhecia a Torá e usava este conhecimento revelado de Deus, instrução dada ao homem para vencer as trevas. E ele nos aconselha a examinar os livros para encontrarmos tudo sobre ele e sobre a vida eterna.

Jesus diz ainda: Errais, não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus”. (Mateus 22:29)Por isso Paulo diz que na guerra espiritual nós usemos a espada do Espírito que é a Palavra de Deus.
“E disse-lhe o diabo: Dar-te-ei a ti todo este poder e a sua glória; porque a mim me foi entregue, e dou-o a quem quero.
Portanto, se tu me adorares, tudo será teu.
E Jesus, respondendo, disse-lhe: Vai-te para trás de mim, Satanás; porque está escrito: Adorarás o Senhor teu Deus, e só a ele servirás.”(Lucas 4.6-8)
Satanás tenta plantar nos nossos corações a cobiça, a nos fazer adorar as riquezas, adorar o reconhecimento humano, adorar o status, adorar o poder. Faz parte da guerra sermos tentados a este respeito, mas Jesus usou o trecho do Antigo Testamento que estava em seu coração firmado como verdade e não acreditou na seta maligna.
“Levou-o também a Jerusalém, e pô-lo sobre o pináculo do templo, e disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo;
Porque está escrito: Mandará aos seus anjos, acerca de ti, que te guardem,
E que te sustenham nas mãos, Para que nunca tropeces com o teu pé em alguma pedra.
E Jesus, respondendo, disse-lhe: Dito está: Não tentarás ao Senhor teu Deus.”(Lucas 4.8-12)

Ou seja, nós somos confrontados igualmente e muitas vezes ouvimos o que a sutileza das trevas está nos induzindo a fazer, “joga-te daqui”, desiste de tudo, experimenta algo perigoso porque se Deus for contigo ele te livra, Deus te perdoa, tenha uma ousadia na fé, tenta de outro jeito, erra mesmo, se mata. Se ele não pode nos invocar à morrer literalmente ele projeta em nós através de pensamentos, ou por palavras de outras pessoas, a outras formas de nos paralisar e nos matar, ele nos aprisiona, ele nos convence que nossos erros não terão consequências, como fez com Adão. E esquecemos que a pior morte é a espiritual, é a que rompe nosso discernimento de certo e errado e nos põe em caminhos tortuosos que nos trarão prejuízos sempre.
Esta é a batalha, precisamos pedir a Deus o discernimento porque os poderes, os principados, as potestades, este império maligno atua no homem, ele sugere ao homem o desvio e pode ser qualquer um. Tenhamos em mente que Jesus é nosso sacerdote supremo e foi tentado, todos nós também somos e seremos. Um título sacerdotal, episcopal, um cargo espiritual que consideremos elevadíssimo ou não, não estará livre de indução maligna. O correto é buscarmos em Deus respostas e direção e que seu Espírito esteja conosco nos revelando os segredos da Palavra.
Nesta batalha a Palavra é indispensável, assim como o Espírito de Deus, e ambos estão perto de nós e ao nosso fácil acesso.
A batalha será na nossa consciência, nas escolhas que fazemos, a sutileza é para nós resistirmos ao plano de Deus.