terça-feira, 2 de julho de 2013

Os ouvidos que promovem a paz - Js.22

André Filipe, Aefe!

“Estes se alegraram com o relatório e louvaram a Deus. E não mais falaram em guerrear contra as tribos de Rúben e de Gade, nem em devastar a região onde eles viviam” - Js. 22.33

As tribos de Rúben, de Gade e meia de Manassés estavam partindo para suas terras após juntarem espadas com seus irmãos, na conquista das terras de Israel. Após atravessarem o Jordão, param em Gelilote, e constroem um "imponente altar ali, próximo ao Jordão" (22.10).
Esta notícia atravessou o Jordão de volta como um incêndio, se espalhando furiosamente pelas lideranças das outras tribos. Assim, movidos pelo zelo religioso, "toda a comunidade de Israel reuniu-se em Siló para guerrear contra eles" (22.12).
Entretanto, os sábios tomaram a frente dos impetuosos e resolveram enviar o sacerdote Finéias e mais 10 representantes das nações para averiguarem a situação. Eles chegaram recriminando: "Como foi que vocês cometeram essa infidelidade para com o Deus de Israel?" (22.16).
Os líderes das 2 tribos e meia, certamente surpresos com a repreensão, não tardaram em explicar: "Fizemos isso temendo que no futuro os seus descendentes digam aos nossos: '(...) Vocês não tem parte com o Senhor" (...) Por isso que resolvemos construir um altar (...) como testemunha entre nós e vocês. Longe de nós nos rebelarmos contra o Senhor" (22.24-29).
Observe o que aconteceu: o zelo ao Senhor das duas tribos e meia ao construírem um memorial, mal entendido, estava indo de encontro com o zelo das 10 tribos do outro lado, e levando Israel para uma guerra civil!
Mas quando o sacerdote e os líderes "ouviram o que os homens de Rúben, de Gade e de Manassés disseram, deram-se por satisfeitos" (22.30). Atravessaram o Jordão, contaram a todos o mal entendido, e todos "se alegraram com o relatório, e louvaram a Deus. E não mais falaram em guerrear contra as tribos de Rúben, e de Gade, nem em devastar a região onde eles viviam" (22.33).
Porque o povo ouviu, evitaram uma guerra sangrenta e injusta. Quanto não precisamos desses ouvidos que promovem a paz! Quanto a falta deles não tem gerado conflitos intensos, mesmo quando os dois lados são movidos pela fidelidade ao Senhor...
Líderes e ovelhas, pais e filhos, marido e esposa, amigos e amigas, que nossas mãos impetuosas da fé sejam acompanhadas dos ouvidos da sabedoria que buscam a paz antes da guerra.

Sugestão de oração: “Senhor, nos ajude a permanecer zelosos ao Senhor, sem, no entanto, nos enganarmos ao condenar o próximo sem ouvir suas razões. Ajude-nos a evitar um ímpeto de fé sem sabedoria, que traz guerra, conflitos, ofensas e desentendimentos. Dá-nos os ouvidos da sabedoria, que promovem a paz.”

2 comentários:

Fruto do Espírito disse...

Quero lhe dar os parabéns e glorificar ao Senhor Deus por sua vida. Essas frases refletem a ortodoxia bíblica, conhecimento sadio de profundas verdades extraídas das Escrituras. Tenho sido profundamente edificado com tais máximas e oro ao Senhor para que o amado irmão continue nessa caminhada, edificando, repreendendo, corrigindo, consolando e exortando o Corpo de Cristo. Ao amado em Jesus, deixo a amorosa exortação feita pelo escritor sacro:

"Porque Deus não é injusto para se esquecer da vossa obra, e do trabalho do amor que para com o seu nome mostrastes, enquanto servistes aos santos; e ainda servis." (Hebreus 6:10).

A propósito, caso ainda não esteja seguindo o meu blog deixo aqui o convite, acesse o link abaixo:

Fruto do Espírito

Minha Fan Page

P.S. Convido a conhecer o blog do irmão J.C.de Araújo Jorge.
Mensagens atuais, algumas polêmicas, porém abençoadoras...
Acesse e confira:
Discípulo de Cristo

Em Cristo,
***Lucy***

Cristi@ne disse...

Uma grande lição e reflexão para os nossos dias...
que possamos conhecer melhor as intenções do nosso próximo, antes de julgar. Deus é Fiel!

A paz