sábado, 14 de maio de 2011

Sozinho no Getsémani


“A minha alma está profundamente triste até à morte”
Jesus Cristo



Fiz sozinho as minhas pegadas
até aqui
e o veludo da noite pousando
nas pedras limou as arestas
a minha angústia vertendo gotas
pela minha fronte
meus olhos sozinhos
palmilhando o céu deixaram pegadas
cada anjo alheou-se de mim
na noite a transbordar de estrelas
como um cálice
nesta noite como a água
de sombras de um poço imenso
fiz sozinho as pegadas
da agonia na minha alma até aqui.

14/5/2011

Poema inédito de J.T.Parreira

Um comentário:

helenabranco.poet@gmail.com disse...

" cálice PAI!...cálice..."