segunda-feira, 28 de março de 2011

33° PARA-GAL


33°

Senhor dos Exércitos,
O que me despedaçou?
Onde estão meus cacos,
Para que eu os recolha,
Ó Mor-Oleiro?
Oh Deus Vivo
Eu que já fui soldado infiltrado
Por trás das linhas inimigas...
Que veneno utilizaram
Para calar meu amor?
O combate hoje sustentado
Não era 30 vezes mais renhido,
Mais vivo?

Amor, amor
Cápsulas de antídoto
Amor
O amor
A cura para meu coração
O raio gama que me transmute
Num mutante azul ou gigante verde,
A destroçar os aparatos
Inimigos por dentro
- Uma cápsula de amor ágape-cianídrico
Ministra-me, meu Médico -
Eis-me aqui
Cura-me a mim
Envia-me a mim
Eis-me aqui
Eis-me aqui

Pois conheço o inferno Senhor,
Já discursei em suas tribunas,
Fui-lhe um poeta, sorvi
Direto de sua cornucópia
O fel sinistro feito
Com os mais doces açúcares
E não tenho medo, Senhor.

Envia-me a mim
Minha antiga patente de cabo
Da Tua legendária 33° PARA-GAL,
33° Divisão de Pára-Quedistas Galileus,
Eu imploro de volta, meu General

Vocacionaste-me para a guerrilha eletrônica,
Treinando-me em operações de guerra psicológica
E contra-medidas em tecnologia da informação
E nisto eu milito
Todos os dias
Com blogs, tweets, emails,
Redes sociais
Contatando, interligando, capacitando
Outros operativos, milhares em rede,
Sabotadores do império inimigo
Mas sei também minha vocação
Para a guerra convencional
E sua guerrilha

Tira-me novamente
De minha zona de conforto e micro-rebelião
Lança-me contra a corrente ao
seio dos despedaçados,
Brulote* incendiado
Aos sete mares
Com o ágape e as lágrimas
Que agora me fazem tão dura falta
Com os porões fartos
De especiarias
- pães, cobertores e Bíblias –
Velas infladas por tua LUZ

Reforça as antigas alianças
Os guerreiros sem nome que não temem
As sombras, reversos piratas
Que singram sem submergir
as águas da Morte,
Sagazes saqueadores do Inferno
Que me deste encontrar
Pelos templos e favelas deste mundo
Arme nossa nau, Senhor Jesus
Carregue nossos canhões
Com lírios
Que eu possa todos os dias
Enviar-te em oração
A notícia que enviaste um dia a João Batista:
“...os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos
são purificados, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam
e aos pobres anuncia-se o Evangelho.” Lc 7.22

Explodir os ferrolhos das prisões
Único motivo de eu ter nascido
Único motivo para nascer
Deitar granadas de LUZ
Nos bunkers de Satã
Boom boomm booommm

Na base do inferno
Semear o conhecimento
De Tua Glória
Armar escaramuças
Levar as batalhas
da periferia e fronteiras
direto aos centros nevrais do Sheol
- países, povos, prisões, sarjetas, hospitais -

reviva-me a mim
envia-me a mim
a lançar Tuas palavras
- lírico artefato de luz e estrépito -
eis-me aqui
ao núcleo duro
da sinagoga de Satanás
boom  boomm   booommm

*Barco não-tripulado, incendiado e carregado de materiais inflamáveis e explosivos, lançado via correnteza em direção aos navios inimigos.


Sammis Reachers 
(texto e imagem)


MAIS POESIA EM:
Poesia Evangélica http://poesiaevanglica.blogspot.com/
Liricoletivohttp://liricoletivo.blogspot.com/
O Poema Sem Fimhttp://opoemasemfim.blogspot.com/

3 comentários:

Wilma Rejane disse...

Irmão Sammis,

Que belo poema, de forte apelo missionário. Me fez parar, refletir...

O duplo sentido do "boom" revela em ti a maestria dos grandes pensadores.

Deus o abençoe.

Sammis Reachers disse...

Obrigado por sua nobre apreciação minha irmã Wilma!

Um abraço fraterno de seu amigo Sammis

Fabio Faith disse...

Excelente teu blog!!