sábado, 1 de janeiro de 2011

O meu Salmo 121


poema inédito de João Tomaz Parreira


Tenho tido os meus montes
e à sua volta anéis
de nuvens, circulando
com átomos tristes de água

Os meus olhos procurariam
nada, um mergulho no escuro
mas um pé em falso
romperia a ténue película
que me sustém a vida

Nos meus montes peço socorro
de onde virá a mina de oiro
a fonte dos cristais
da pura água
mas um salto no escuro
e seria o fim

O meu socorro vem do Senhor
que fez de céu e de terra
esta distância
que trazem os meus olhos.

31/12/2010

Um comentário:

Giovanna Bhering disse...

Visite também: www.porgb.blogspot.com