sexta-feira, 16 de outubro de 2009

a bíblia fake

João Tomaz Parreira

Não terá por sido por ignorância doutrinária que a CPAD editou e divulga esta «bíblia» herética, dando assim indirectamente respaldo a, pelo menos, uma doutrina : a da Prosperidade, a do chamado «toque de Midas» e outras aberrações teológicas. Sendo talvez a maior, a imagem descrita pelo comentador acerca de Deus.

Exempli gratia: «Ele tem um corpo espiritual pessoal; forma; imagem e semelhança de um homem. Ele tem partes do corpo, tais como, peças de volta, coração, mãos e dedos, boca, lábios e língua, pés, olhos, orelhas, cabelo, cabeça , cara, braços, quadris e outras partes do corpo.» Anotado (Dake de Referência Bíblia, Finis Jennings Dake, publicado pela Dake Bible Sales, Inc., Atlanta, Geórgia, Novo Testamento, pp. 96-97).

Faça-se, porém, a justiça de dizer que circula um texto a divulgar a posição dos editores, o seguinte:

«Assim, de acordo com o Pr. Silas Daniel, editor chefe da Casa, a CPAD se comprometeu em publica-la na seguinte condição: liberdade editorial de supressão de desvios e ideais contraditórios com a doutrina e teologia adotada pelas ADs no Brasil. Autorizados a fazer a supressão dos desvios de Dake pelos editores que detêm os direitos de publicação, foi mantido os principais recursos, notas e estudos que estejam em harmonia com a ortodoxia bíblica, doutrinária e teologica. De acordo com o Pr. Silas Daniel “...os erros doutrinários já eram conhecidos e foram devidamente retirados. "

Mas se eram conhecidos os erros, por que razão a Bíblia Dake foi editada e divulgada ao mais alto nível?
Razões economicistas, garantir shares de «audiência» para a editora CPAD perante outras editoras concorrentes, que geralmente editam best sellers das heresias do neo-pentecostalismo?
A verdade é que mesmo expurgando os erros doutrinários, eliminando as heresias (como Jesus foi «ungido» Messias ou o Cristo no início do Seu ministério, etc., etc.), não deixa de parecer uma certa cumplicidade subjectiva, no mínimo.
Parece que foi Cícero, o orador romano, que disse, após um escândalo romano, que “não basta a mulher de César ser honesta, ela tem de parecer honesta”.

2 comentários:

Alzira Sterque disse...

Há muitos interesse$$$$$$
óbvios nesta edição.

O elo principal já foi perdido, só sobrou o mercantilismo, coisa própria de quem vive somente para esta vida.

Bela denúncia

Papo de Crente disse...

linkamos este artigo em nosso blog. Abraço!