terça-feira, 25 de agosto de 2009

Cristianismo Creative Commons


Por Jarbas Aragão

Muita gente hoje em dia discute os conceitos de propriedade intelectual, de direitos autorais e de pirataria. Não há dúvida que a internet mudou muita coisa e sua popularização trouxe novas discussões sobre coisas quem antes nunca se pensou. Não quero e nem posso avaliar aqui as implicações éticas e teológicas dos downloads modernos, dos sites de torrents, da transmissão de músicas, filmes, jogos e até de livros. Na grande maioria das vezes é fácil determinar que o erro distribui material que não é seu por direito. Até ai tudo bem, que fique claro: não compro material pirata! Mas poucas vezes vi discussões em nosso meio sobre a atitude de quem produz e distribui esse material.

Há algum tempo o mundo tem visto surgir tentativas de se mudar o conceito de propriedade intelectual. Muitos softwares, por exemplo, são distribuídos gratuitamente. Aos poucos foram surgindo filmes, CDs e livros que aderiram a esse “movimento”. Essa maneira de pensar gerou conceitos novos como copyleft (oposto do termo copyright) e as licenças chamadas de creative commons (mais informações no www.creativecommons.org.br )

O que isso tem a ver com nossa fé cristã? Existem várias passagens que nos mostram que não é correto exercer qualquer tipo de cobrança pela mensagem de salvação. O famoso “de graça recebestes, de graça dai” (Mt 10:8). Mas o que tem se visto nos últimos tempos é uma grande comercialização do evangelho e da mensagem de Cristo. E não estou falando da teologia da prosperidade!

Tomemos por exemplo o texto bíblico no Brasil (diferentemente de outros países) que possui direitos autorais. Ou seja, é proibido por lei a reprodução de uma quantidade maior que 500 versículos sem autorização da editora que possui os “direitos” de determinada tradução. Ou seja, você não pode imprimir milhões de exemplares da Bíblia e sair distribuindo por aí. Alguns softwares que trazem o texto bíblico apresentam essa restrição. A pergunta que fica é: ter o direito autoral da Palavra de Deus é correto? Exigir-se pagamento para se reproduzir o texto é bíblico?

Também é sabido que muitos pastores/pregadores e cantores/cantoras só vão para um determinado local, seja igreja ou não, mediante o pagamento de um cachê. Alguns não chamam de cachê, óbvio, chamam de “oferta”. Mas até que ponto eles têm o direito de cobrar para louvar a Deus ou cobrar para ensinar o caminho do Senhor? Não tenho nada contra as ofertas, até porque isso é claramente mostrado nas Escrituras. Minha dificuldade é ver gente enriquecendo com isso. Claro, se ninguém pagasse essa prática já teria acabado ou certamente diminuído bastante.

Conheço bem algumas empresas ditas “evangélicas”. Sei como funciona a produção e a distribuição de muito do material que circula no “mercado gospel”. Não seria leviano em dizer que todas as empresas agem da mesma maneira. Nada tenho contra aqueles que fizeram a opção de viver de maneira integral do evangelho, de usar os dons e talentos dados por Deus para de alguma maneira contribuir para a igreja de Cristo espalhada pela face da terra. Meu objetivo é refletir até que ponto se justificam certas coisas.

Quando vemos alguns livros sendo vendidos na categoria religião das livrarias ou mesmo o material que é encontrado nas chamadas livraria evangélicas dificilmente se pergunta “quem produz esse material?”, “para onde vai o lucro obtido?”. Talvez isso não pareça importante para a maioria das pessoas, uma vez que se coloca sobre essas coisas o “selo” que os identifica como “abençoado” ou “abençoador”. A verdade é que nem todas as empresas que produzem e comercializam esse material estão necessariamente envolvidas com a proclamação das boas novas.

O que eu gostaria de refletir neste espaço é sobre a prática de usar o nome do evangelho de Jesus para enriquecer pessoas, ministérios ou empresas. Não sou ingênuo a ponto de pensar que tudo deva ser de graça ou ignorar que existem custos muitas vezes altos para produzir todas essas coisas. Eu continuo comprando material que entendo ser útil e proveitoso para minha vida cristã. Mas confesso que deixei de ir a certos eventos e de comprar certas coisas por causa disso. Considero abusivo o preço de muito material que apenas por ser evangélico é mais caro que os demais. Por exemplo, tenho vivido isso toda vez que quero comprar um filme em DVD para meu filho!

Não é segredo para ninguém que existe uma verdadeira “indústria” montada por trás disso tudo. O mercado cristão ainda dá muito dinheiro. Nada tenho contra o lucro. Porém, poucas vezes li alguma reflexão séria sobre essa questão. Com a popularização da internet vieram as mudanças de certos conceitos e acredito que ainda existe muito para ser pensado. A questão é que está surgindo uma concepção diferente de direito autoral e isso nos atinge também.

Já é possível hoje baixar livros, vídeos, e músicas da internet autorizados e incentivados pelos seus próprios criadores. Existem grupos evangélicos que já entenderam que estamos diante de um novo tempo e fizeram a opção de oferecer o seu material gratuitamente na web, possibilitando que os ouvintes façam algum pagamento se desejarem. A lógica que está por trás disso não é mais única e exclusivamente a busca do lucro. O princípio é a divulgação do que foi produzido sem que o lucro seja a motivação principal. Já visitei sites de produtoras que disponibilizam seu material gratuitamente. Posso citar alguns exemplos gringos. O músico Derek Webb distribuiu um tempo atrás o seu CD Mockingbird, o site de audiolivroswww.christianaudio.com disponibiliza uma vez por mês um download gratuito de um livro diferente. Particularmente gosto do site theresurgence.com , do ministério Mars Hill, liderado pelo pastor Mark Driscoll, além de pregações livres de direitos, é possível encontrar também CDs de música e livros do pastor para baixar. No Brasil alguns autores menos conhecidos, bem como grupos musicais tem disponibilizado seu material. A editora Mundo Cristão chegou a disponibilizar o download gratuito (por tempo limitado) de alguns títulos. Mas ainda é algo muito tímido, quase inexpressivo. Acredito que faltam iniciativas do gênero no meio evangélico nacional.

Por outro lado existem pessoas que aproveitam todas as oportunidades para transmitirem sua mensagem gratuitamente. Inclusive grupos religiosos. Um bom exemplo claro é o longa de animação de 2008, Sita Sings the Blues, que tem como enredo uma história da tradição hinduísta, o Ramayana e em essência é uma historia sobre espiritualidade. No site do filme, www.sitasingstheblues.com é possível ler que seus idealizadores acreditam que o valor do filme vai além da questão financeira e disponibilizaram na licença Creative Commons. A imagem ai em cima dá uma mostra do material. Não dá pra não se perguntar porque ainda não temos feito o mesmo para divulgar a mensagem do evangelho. Desconheço um esforço para a produção e distribuição de filmes com conteúdo evangélico que estejam sendo distribuídos com o simples propósito de divulgar a mensagem. Não está na hora de vermos mais iniciativas propondo um cristianismo livre de direitos autorais restritivos e abusivos? Não seria necessário repensar qual o objetivo da produção e comercialização de muito do que se produz em nome de Jesus nos dias de hoje? Sou favorável a um cristianismo Creative Commons, onde o lucro não é a mola propulsora, mas sim o desejo de ver a Palavra sendo levada às pessoas. Você conhece mais iniciativas assim? Deixe a dica ai nos comentários para todos verem e conhecerem.


via http://www.blogdos30.tk/

2 comentários:

Sammis Reachers disse...

Abaixo reproduzo o comentário que postei no Blog dos 30, para acrescentar informação ao tema:
____________________

É uma felicidade encontrar tal texto, meu amado. Assino em baixo com certeza. Esta é uma de minhas bandeiras desde a minha conversão, a uns seis anos. Já escrevi ou organizei seis e-books, disponibilizados gratuitamente para download. Junto ao irmão Naasom Souza (que está nesta luta a muitos anos), do blog Letras Santas, contribuo na Biblioteca Letras Santas, onde reunimos material LIBERADO PELOS PRÓPRIOS AUTORES, num único lugar. É um esforço antigo, e já são centenas de títulos ali reunidos. O link é: http://www.4shared.com/dir/1727479/71ecfce9/sharing.html

Há diversas iniciativas neste sentido, mas como o texto frisou, por aqui são muito mais tímidas do que lá fora.

A Igreja Metodista de Vila Isabel deu um enorme passo neste sentido, disponibilizando gratuitamente dezenas de livros para download: http://www.metodistavilaisabel.org.br/artigosepublicacoes/ebooks2.asp

A SEPAL e sua rede de sites (são muitos, e muito bons) também mantém esta visão, disponibilizando dezenas de e-books, gráficos, apresentações, e ainda diversos vídeos de seus eventos (e de seus colaboradores). Aqui o link: http://www.lideranca.org/cgi-bin/mods/iframehtml/showhtml.pl?id=rd

A Igreja Batista da Lagoinha também disponibilizou dezenas de e-books do Pr. Márcio Valadão para download: http://www.lagoinha.com/engine.php?pag=ebooks&cat=374&sec=68

Escrevi a poucos dias um texto falando um pouco sobre isso, a título de um livro que a missionária Alzira Esterque (outra na luta...) disponibilizou online. Está aqui: http://arsenaldocrente.blogspot.com/2009/08/da-arte-de-pregar-atraves-das.html

Enfim, aos poucos a visão avança, e o futuro aguarda muitas mudanças. Precisamos manter este diálogo, e sempre propor esta questão para discussão, para despertar os que dormem.

Mais do que tudo, cristianismo é serviço, oferta e entrega, frutos do amor. Quem se perder deste foco, corre o risco de mais à frente perder tudo.

Estou à disposição no e-mail: sammisreachers@ig.com.br

Um abraço, e que Deus lhes abençoe!

Sammis

Nivaldo Rebouças disse...

Finalmento os cristãos de bom censa estão se manifestando. Há muito tempo temos visto os chamados "defensores dos direitos autorais", apregoando aos quatro ventos, o castigo pevisto para os "piratas" (sou contra tambem, a quem copia material de outrem e vende), sendo eles mesmos os piratas dos textos(livros, artigos),musicas que foram inspiradas pelo "Espirito Santo de Deus"(ou de onde é que vem a inspiração?)e até pregaçoes. Pode ser que muito em breve, já se cobre ingresso na porta dos salões de culto(predios da igrja) para poder se adentrar (se é que já não o fazem) e ouvir o tão afamado e prestigiado "homem de Deus".Acho um absurdo, qualquer cristão bíblico levantar a bandeira de que copiar um cd que foi comprado legitimamente em uma loja (quando não se pode comprar mais de um)e presentear uma pessoa para que ela ouça o material, e dizer deste:É pirataria meu IRMÃO". A que ponto estamos chegando, onde os "filhos de Deus" se apossaram da biblia ( e se diga a verdade: Tudo vem da palavra) e querem obter lucro dela: Pois quem canta a palavra, prega a palavra, escreve sobre a palavra; esta fazendo uso, unica e exclusivamente da "palavra de Deus". Quer vender, então venda sua própria palavra e não fique dizendo que é a "PALAVRA DE DESU".